Tumor cerebral: técnica cirúrgica com paciente acordado ajuda a preservar área cognitiva

Camila Rodrigues, de 25 anos, passou por uma experiência que pode ser considerada inesquecível em sua vida, e não é exagero! Ela retirou um tumor no cérebro. O procedimento realizado num hospital em Curitiba foi o segundo ao qual foi submetida a auxiliar administrativa, que diz lembrar apenas de “alguns flashes” do que se passava no centro cirúrgico. O neurocirurgião Carlos Alberto Mattozo foi o responsável pelos dois procedimentos da Camila. Ele explica que o complicador do tumor em casos como o da jovem é a posição, no lobo temporal esquerdo – responsável pela linguagem – por isso, a cirurgia acordada é a melhor opção. Nesses casos, o paciente é sedado e dorme na primeira parte da cirurgia, enquanto é realizada a incisão e a abertura do osso do crânio. Após essa etapa, a medicação é diminuída e ele é despertado.

Imagem: Pessoal